Artigo: Inclusão pelo trabalho é lição da pandemia

Fábio de Salles Meirelles*

A Covid-19 ampliou a percepção e a visibilidade de estudo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que classificou o Brasil como o sétimo país com mais desigualdades, melhor posicionado apenas do que seis nações africanas, e o segundo com a maior concentração de renda, atrás somente do Catar. Tais assimetrias já se refletem de modo mais acentuado nas dificuldades da população carente, em meio aos danos econômicos provocados pela pandemia, que agravam nossa histórica dívida social.

O relatório do organismo da ONU foi divulgado recentemente, mas os dados são referentes a 2017. De lá para cá, considerando a crise que o País já vinha enfrentando, com mais de 12 milhões de desempregados, a situação somente piorou, atingindo um grau ainda mais tóxico no cenário atual causado pelo novo coronavírus. Nesse contexto, é indispensável a ajuda do governo, como na concessão do auxílio emergencial de 600 reais e trabalho dos fundos de solidariedade dos municípios e estados, das empresas, das entidades de classe, de toda a sociedade e das famílias. Todos têm se mobilizado, dentro da capacidade de cada um, para socorrer as pessoas necessitadas, doando alimentos, roupas, remédios e equipamentos de proteção individual.

Essa mobilização ratificou o perfil solidário dos brasileiros. Entretanto, ante as dimensões do problema, o aporte de recursos demandado é muito superior à capacidade financeira das famílias e do universo corporativo, abalados pela nebulosa conjuntura, bem como do Estado, que há muito está mergulhado em profundo abismo fiscal. Além disso, não se pode admitir a caridade individual e o assistencialismo estatal como soluções definitivas para as desigualdades socioeconômicas. Crescimento do PIB, com distribuição de renda e inclusão, deve ser a prioridade da agenda nacional do desenvolvimento.

O êxito nessas metas somente será possível com a geração maciça de empregos, que depende de nossa capacidade de resolver os problemas que já enfrentávamos antes da pandemia, somados à maior complexidade que ela provocou. É um desafio elevado à terceira potência, mas que nos cobra, da maneira mais dura possível, o tempo que perdemos ao não resolver questões básicas, como o “custo Brasil”, a insegurança jurídica, a burocracia exagerada, a limitação do crédito para investimentos produtivos, os altos impostos, os empecilhos à boa logística, o inchaço estatal e todos os demais fatores, há muito conhecidos, que reduzem paulatinamente nossa competitividade, sacrificam empresas e provocam desemprego.

Precisamos de soluções concretas para o déficit social brasileiro, simultâneas ao assistencialismo do Estado e da sociedade, para ir reduzindo pouco a pouco as desigualdades e promovendo a inclusão pelo trabalho, o meio mais eficaz de combater os efeitos da pobreza e de proporcionar vida de melhor qualidade à população. E precisamos aprender com as adversidades que isso pode e deve ser feito em caráter emergencial e, num aspecto mais amplo, como estratégia de políticas públicas estruturais.

Temos exemplos concretos da viabilidade de medidas dessa natureza. Um deles chama-se “Pertinho de Casa”, iniciativa da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp), ante a ameaça que a pandemia impôs a numerosos pequenos e microprodutores rurais e varejistas de alimentos, impedidos de colocar os produtos no mercado. Trata-se de um aplicativo que possibilita a compra direta por parte dos consumidores e cujo sucesso evitou que muitas famílias engrossassem a fila do auxílio emergencial do governo e o rol dos socorridos pela fraternidade. Estão produzindo, vendendo, ganhando seu dinheiro e atendendo milhares de pessoas.

Tal objetivo também foi alcançado em outra ação liderada pela entidade: centenas de costureiras, muitas delas instrutoras dos cursos do SENAR-AR/SP (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), foram mobilizadas para produzir milhões de máscaras destinadas a produtores e trabalhadores do campo e a santas casas de misericórdia do interior paulista. Essas mulheres, muitas delas arrimos de família, estariam sem renda no momento mais agudo da pandemia. Contudo, estão trabalhando e se mantendo.

A atenção social do Estado e a solidariedade humana serão sempre bem-vindas e necessárias, mas não podem perpetuar-se como políticas públicas de enfrentamento das desigualdades. É prioritário incluir as presentes e futuras gerações na economia e no mercado, outorgando-lhes efetiva cidadania, com um projeto de desenvolvimento que contemple a distribuição mais justa da renda, por meio da educação de qualidade para todos e do trabalho digno.

Alguns exemplos, como os aqui citados, por menores que possam parecer no contexto global da Covid-19, mostram que isso é muito possível, em especial neste Brasil de imensos recursos naturais, população corajosa, trabalhadores e empresários resistentes e capazes de vencer crises, como as muitas que já enfrentamos.

*Fábio de Salles Meirelles, empresário agrícola, é presidente do Sistema FAESP-SENAR-AR/SP (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo/Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, no Estado de São Paulo).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *